terça-feira, agosto 12, 2003

Não sou o João Lopes, mas

A propósito do «rodeo» que, felizmente, vai por essa blogosfera afora, sugiro três filmes dedicados à «country». «Your Cheatin' Heart» (1964), deliciosa insignificância de série «b» sobre a vida de Hank Williams, pai (George Hamilton faz o protagonista, mas aguenta-se); «Coal Miner’s Daughter» (1980), biografia de Loretta Lynn (óscar para Sissy Spacek), com tangente a Patsy Cline; e «Honkytonk Man» (1982), de Clint Eastwood. Os dois primeiros são, obviamente, «biopics» e, não por causa disso, precisam de um gosto excessivo ou um nadinha perverso para se deixarem desfrutar devidamente. O terceiro não custa nada: é um dos melhores filmes de C.E. (para mim, está apenas depois de «A Perfect World»), logo um dos melhores filmes que os nossos olhos podem ter a sorte de contemplar. Porém, que eu me lembre, os grandes momentos da «country» propriamente dita no cinema encontram-se em filmes algo distantes do tema: o dueto de Jonnhy Cash com Bob Dylan no «Eat the Document» (1972), o documentário «proibido» deste último; e outro dueto, entre Ricky Nelson e Dean Martin (não, não são os progenitores do Ricky Martin), em «Rio Bravo» (1959). De certeza que me escapa alguma coisa, mas não importa, todos juntos, agora: Purple light in the canyon/ that is where I long to be/ With my three good companions/ just my rifle, pony and me