segunda-feira, setembro 08, 2003

Mais empadas e vinho tinto

Através de mails, diversos leitores manifestaram sentido espanto por eu desconhecer o sr. Luís Sepúlveda. Decerto com boas intenções, referiram-me livros dele, alguns traduzidos em Portugal, como aquele do velho que lia romances de amor ou coisa que o valha. Ora bem: lamento informar, mas isso eu já sabia. Eu já tinha uma vaga ideia de que o sr. Sepúlveda é um escritor latino-americano, e já associava o moço aos títulos citados. Porém, juntar nomes e títulos é fácil e não produz conhecimento sério. No caso, por exemplo, eu ignorava em absoluto o - digamos - pensamento do sr. Sepúlveda, incluindo a seminal Tese das Empadas. A verdadeira erudição exige que se vá um bocadinho além da rama: pede trabalho, esforço, dedicação sistemática. Ou no mínimo a leitura da «Visão». Não fora assim, e seríamos todos tão cultos quanto o Paul Johnson e a dra. Ferreira Alves (e olhem que um deles, palpita-me, nunca leu o sr. Sepúlveda).