quinta-feira, setembro 11, 2003

O nosso homem em Newark

Eu ainda sou do tempo em que o Ilídio Martins dedicava um bocadinho do seu site pessoal ao top dos colunistas portugueses (infelizmente acabou, não sei porquê). Desde essa altura que o leio, atenção que redobrou a partir de um certo dia de que hoje se assinala o segundo aniversário, quando, na era pré-blogues, o Ilídio fornecia das raras opiniões não «relativistas», em português, sobre o sucedido. Também por isso, congratulo-me que a pseudo-polémica em volta do tal Sepúlveda tenha dado em nada (brincadeiras à parte, acredite mesmo que eu não uso confundir a obra com o carácter do autor). Entre pessoas civilizadas, é quase sempre assim.