quarta-feira, outubro 08, 2003

Manuel (agora legitimamente) Alegre

Há três semanas, o dr. Alegre jurava habitar um país muito mais sombrio e despótico que o Portugal de Salazar. Hoje, pela tardinha, o lendário poeta falou às televisões para maldizer as «pressões mediáticas» e para louvar um sistema judicial que funciona em pleno, assim haja bom senso para saber respeitá-lo. Entre ambos os momentos, ou entre as trevas e o sol que aponta o caminho, e que eu tenha reparado, apenas sucedeu uma ligeira mudança na medida de coacção aplicada a um sujeito específico - o dr. Paulo Pedroso. Por vezes, uma andorinha (livre) faz toda a primavera.