segunda-feira, dezembro 15, 2003

Um rato de plástico

Chamam-me reaccionário e eu rio com desprezo. Reaccionários apanham o vírus da gripe: eu apanho vírus informáticos, que me deixam o computador em estado de coma e o conduzem aos cuidados intensivos até data incerta. Por isso, só hoje posso comentar a pouca vergonha que os EUA encenaram no Iraque, para consolo dos simples. Não chegava a grotesca farsa do peru de plástico, com que Bush - o caipira do Texas - se apresentou no Dia de Acção de Graças a soldados de plástico, numa imitação de plástico do aeroporto de Bagdad. Agora ainda tiveram de mostrar ao mundo um Saddam de plástico, os festejos de iraquianos de plástico e, para cúmulo, alguns palestinianos de plástico, decerto por imposição da conspiração sionista.
Vale que há, em Portugal e no mundo, comentadores de carne e osso capazes de desmontar a palhaçada num ápice. A dra. Ana Gomes, caso exista, é só um feliz exemplo.