segunda-feira, janeiro 26, 2004

Post mortem

Não tenho muito a dizer sobre a morte de Fehér. Apenas que foi triste, que a transmissão directa do momento ampliou a tristeza, e que a excitação ‘conspirativa’ subsequente não me parece uma elegia digna.