quinta-feira, março 18, 2004

A origem dos símbolos religiosos (parte I - a lenda do turbante)

Certo dia, um muçulmano entrou numa delegação da Caixa geral de Depósitos. Pediu para lhe guardarem uns sacos enquanto ia à casa de banho. Quando regressou, deparou com um batalhão de polícias, que lhe haviam revistado os sacos à procura de papelada religiosa. Não encontraram nada, o que o homem explicou por "ter o Corão na cabeça". Donde o turbante.

[Notas: no sudeste do Paquistão, e além do Corão, o turbante também serve para guardar fotos autografadas do Fernando Alvim e uma ou duas cassetes vídeo do Cabaret da Coxa - daí a designação Sics Radicais.
Se o turbante pertence a um chefe local ou sábio, ostenta normalmente uma lindíssima cor dourada e o seu proprietário é conhecido por Sic Gold].