terça-feira, maio 11, 2004

Bonitinho mas ordinário

É chato acontecer numa altura em que ele elogia o fatito novo do Homem a Dias, mas uma vez na vida eu haveria de discordar do Ricardo Gross. O Foreign Sound do Caetano é, reconheço, bonitinho. Aliás, é a coisa mais bonitinha, indigente e inócua produzida por um sujeito de talento nos últimos anos.
Arriscando a que me partam um violoncelo na cabeça, aproveito ainda para culpar o sr. Jacques Morelbaum. A colaboração deste senhor com Caetano Veloso, que já vai longa, produziu, por junto, um grande disco (Livro), e bocados de outros dois (O Quatrilho e Noites do Norte). No mais, tornou-se fórmula, cansativa e aconselhável a átrio de hotel.
Tenho, é claro, saudades do Caetano da Tropicália, o melhor de todos. Mas por este andar começo a lembrar com nostalgia as fases (só) aparentemente desorientadas de Cores, Nomes ou Velô: é preferível o falhanço heróico ao aborrecimento de ciência certa.