quinta-feira, julho 01, 2004

O país possível II (um post optimista)

Agora mesmo, mesmo, mesmo muito a sério (para o Carlos, o Carlos, a Ana e o Bruno): já repararam como todos gostaríamos de ver Rui Rio (ou alguém semelhante a Rui Rio) primeiro-ministro, e como todos sabemos que a probabilidade de que tal aconteça é nula agora, e nula será sempre? Não vos aborrece um bocadinho que as coisas sejam assim e, dada a rapidez e a voracidade com que tudo se degrada, não haja esperança de que possam ser de outra forma? Esperança? “Esperança” é a palavra. Esperança eu gostava de ter. Nesse aspecto, e somente nesse, eu gostava de ser de esquerda. E acreditar da forma irresoluta com que eles acreditam que aquilo em que eles não acreditam um dia acontecerá. Mas não.