quinta-feira, outubro 07, 2004

Notas de viagem

Está bem. Amesterdão é um bocadinho mais organizada e bonita que a cidade portuguesa média. Uma mão de Rembrandt vale toda a história da pintura (?) nacional. Os cinco ou seis pisos do American Book Center envergonham trinta FNACs juntas. E, de manhã cedo, num café pequenino junto ao Prinsengracht ouve-se a Stabat Mater, do Brunetti.
Mas farejei como um perdigueiro os restaurantes tailandeses, gregos, indonésios recomendados pelo Eyewitness e posso assegurar que a comida holandesa é uma merda, mesmo sem a compararmos a um arroz de javali que eu cá sei. Além disso, a sinagoga local chama-se Portuguesa e o tenor do Stabat Mater Luíz Alves da Silva. Não há como a nossa terrinha.