quinta-feira, novembro 30, 2006

Trailers da semana

(...) encontrei a obra de Cesariny com 18 anos e um arrepio. Não sabia que a nossa língua se prestava àquilo. Por minha máxima culpa, não sabia que se podia descrever “Um anão inglês a atravessar uma rua inglesa / com um fato à inglesa muito curto / e a mãozinha inglesa a dar a dar”. Quando soube, apanhei tal devoção pelo homem que desatei a lê-lo e a relê-lo inteiro, poemas, ensaios, epístolas, polémicas, manifestos. E tentei ridiculamente copiá-lo, rabiscando versinhos miseráveis. E um dia escrevi-lhe uma carta de agradecimento e louvor, que o decoro me impediu de enviar (...)

***

(...) há sempre cépticos dispostos a duvidar da gloriosa tradição das ONG e da utilidade de exercícios assim. Por exemplo, nem todos acreditavam que umas bandas “pop” aos guinchos em Londres aboliriam a fome em África. E depois viu-se. A título de garantia adicional, uma das promotoras do Orgasmo Global chama-se Donna Sheehan, e é a exacta senhora que, em 2002, mandou 50 mulheres de diversas idades e figuras tirarem a roupa e gritarem a palavra “Paz”. Os resultados, na harmonia terrestre e no êxodo de inúmeros homens rumo à homossexualidade, ainda hoje repercutem (...)

Vai de metro, Satanás
A frase acima, de Alexandre O’Neill, ilustra o relatório do Tribunal de Contas, que anteontem apontou, além de umas trapalhadas avulsas, diversas “irregularidades” nos prémios, nos salários e nas restantes benesses da administração da Metro do Porto. Ficamos assim informados de que os prémios anuais se aproximam dos 100 mil euros, que os salários dos administradores não executivos atingem os 3250, e que estes últimos auferem um crédito mensal de outros 1250 para gastos menores. Convém acrescentar que o relatório é de uma irresponsabilidade atroz.